Cerca de 800 membros do Ministério Público e do Judiciário participaram de ato público, na última quinta-feira, 1, em Brasília, contra a Reforma da Previdência. A mobilização foi organizada pela Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público (Frentas) e teve início no Supremo Tribunal Federal, seguindo até a Câmara dos Deputados.

Representando a Associação do Ministério Público do Estado do Maranhão (AMPEM) estiveram presentes no ato o presidente Tarcísio Bonfim, a primeira vice-presidente, Camila Gaspar, o segundo vice-presidente, Gilberto Câmara, o primeiro secretário, José Alexandre e o segundo secretário, Hagamenon de Jesus.

“O ato público tem a finalidade de chamar atenção da sociedade brasileira sobre a tramitação dos projetos que visam criminalizar a atuação do Ministério Público e da Magistratura. Lutando, também, pela necessidade da valorização das nossas carreiras para que cada vez mais possamos cumprir nossa missão Constitucional de garantir a ordem jurídica e notadamente combater a corrupção", frisou Tarcísio Bonfim.

Como parte da programação foi entregue uma carta com cerca de 18 mil assinaturas a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmen Lucia, e a Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge. O documento tem o objetivo de externar a indignação dos membros do MP e Judiciário sobre as ameaças contra as garantias constitucionais, como a PEC 287/16, sobre a Reforma da Previdência, além da mudança da lei de abuso de autoridade e o Projeto de Lei que criminalizará a violação das prerrogativas de advogados. 

O auditório Nereu Ramos, localizado na Câmara dos Deputados, esteve lotado e mais duas salas de apoio transmitiram a solenidade.

Também estiveram presentes no ato, o procurador-geral de justiça, Luiz Gonzaga Coelho, o corregedor-geral do MP, Eduardo Jorge Hiluy e outros representantes do parquet maranhense.

 

  • 001.png
  • 01.png
  • 03.png
  • 04.png
  • 05.png